MEGA 21

Central de Atendimento


telefone (21) 3325-4242
MEGA 21
 
Você está em: Inicial >> Tratamentos >> Reposicao Hormonal

Tratamentos



Reposição Hormonal (Fitoterápica e Homeopática)

Reposição Hormonal (Fitoterápica e Homeopática)

Clique aqui para ouvir este texto.


Os fitos hormônios são substâncias com moléculas semelhantes aos hormônios produzidos naturalmente no organismo humano. Eles são obtidos a partir de vegetais, principalmente soja, inhame, trevo vermelho (red clover) e cimicífuga (black cohosh).

Os fitos hormônios são utilizados para uso oral (geralmente em forma de cápsulas) e para uso sobre a pele (geralmente na forma de gel).

Com os fitos hormônios é possível obter a estimulação hormonal mais suave, menor que a produzida com as substâncias sintetizadas em laboratórios.

Alguns estudos mostram que a Terapia de Reposição Hormonal com fitos hormônios protege contra osteoporose e doenças cardiovasculares, mas cerca de 15% das mulheres não respondem ao tratamento apenas com essas substâncias.

Nesses casos, é preciso associá-los à medicação convencional, mas em menor dose que o habitual. Os benefícios da Terapia de Reposição Hormonal com fitos hormônios ainda são poucos conhecidos no Brasil.



Contudo a Terapia de Reposição Hormonal com fitos hormônios tem boa aceitação na Comunidade Científica da Europa, principalmente na Alemanha e França.


Como primeira opção em fitos hormônios na menopausa, os médicos têm as plantas com maior ação estrogênica, como o trevo vermelho e a cimicífuga. Além disso, recomendam o consumo de soja duas a três vezes por dia. Para melhorar a densidade óssea, existe o inhame mexicano. Há opções para aumentar a libido, o desejo sexual, como o tribulus. Os efeitos colaterais com os fitos hormônios são mínimos podendo às vezes ocorrer problemas intestinais.


Ficou comprovado em vários estudos que o maior consumo de soja tem efeito protetor contra câncer e doenças cardiovasculares.

 

A menopausa e os fitos hormônios

Se por um lado, pesquisas mostram sérios entraves em relação à eficácia e segurança da terapia de reposição à base de hormônios sintéticos, ou derivados de urina de éguas, por outro lado temos um grande manancial de estudos científicos sobre os efeitos benéficos de hormônios derivados de plantas medicinais: os chamados fitos hormônios. Esses têm-se mostrado bastante eficazes e muito mais seguros do que os primeiros e já estão sendo prescritos no mundo todo por um grande número de médicos generalistas e ginecologistas. Os fitos hormônios mais conhecidos e estudados na atualidade são as Isoflavonas, presentes principalmente na soja (Glycine max) e no red clover (Trifolium pratense). As Isoflavonas têm efeitos semelhantes aos estrógenos naturais do corpo e são muito apreciados por terem ações seletivas sobre os receptores de estrógenos localizados no cérebro, nos ossos e no sistema cardiovascular (coração e artérias). Por apresentarem uma ação quase nula sobre os receptores estrogênicos das mamas e do útero, é muito pequeno o risco de aí se desenvolverem os tumores que crescem pelo estímulo hormonal. Por outro lado, ao estimularem os receptores do estrogênicos do sistema cardiovascular, eles auxiliam no controle dos sintomas do climatério, tais como as ondas de calor, os calafrios e a transpiração excessiva. Tal ação vascular, associada à capacidade de aumentar o colesterol bom (HDL), proporciona uma redução no risco de doenças cardiovasculares em mulheres na menopausa. Por fim, o estímulo pelas Isoflavonas dos receptores estrogênicos dos ossos, reduz a taxa de perda óssea e protege as mulheres contra a osteoporose. Após vários testes de toxicidade em animais, as Isoflavonas foram consideradas de baixíssima toxicidade, mas convém lembrar que não existem medicamentos sem riscos ou potenciais tóxicos. Portanto, as Isoflavonas devem ser prescritas e acompanhadas por médicos. A literatura e a prática médicas registram muito pouco sobre seus efeitos tóxicos, mas eles não devem ser negligenciados, pois as Isoflavonas são compostos com ação hormonal no corpo e podem interferir com a função de diversos órgãos, como os ovários, a tiróide, etc. Outras plantas medicinais que contêm fitos hormônios e que estão sendo cada vez mais usadas na clínica diária são o vitex (Vitex agnus castus) , o yam mexicano (Dioscorea villosa) e o black cohosh (Cimicifuga racemosa) . O black cohosh, talvez a planta mais largamente estudada para o tratamento dos sintomas relacionados à menopausa, contém também as Isoflavonas e a sua ação é basicamente estrogênica. Por outro lado, tanto o vitex quanto o yam mexicano apresentam uma ação estimulante da progesterona, o hormônio da gravidez ou da segunda metade do ciclo menstrual. Por esta razão, a indicação destas últimas se dá com maior sucesso no tratamento de sintomas da chamada tensão pré-menstrual e no tratamento das irregularidades do ciclo menstrual. O vitex apresenta ainda uma valiosa ação inibidora da secreção da prolactina, enquanto que o yam mexicano possui atividades anti-inflamatórias e anti-espasmódicas.

Outras plantas interessantes do ponto de vista da fisiologia feminina são o alcaçuz-da-Europa (Glycyrrhiza glabra), a semente da linhaça (Linnun usitatissimum) e o dong quai (Angelica sinensis). O dong quai, planta usada milenarmente pela medicina tradicional chinesa, contém esteróides a apresenta ações hormonais, anti-inflamatórias e anti-espasmódicas, além de ser considerado pelos chineses como um tônico geral, especialmente para as funções sexuais femininas. O alcaçuz-da-Europa, apesar do seu nome popular, é uma planta usada tradicionalmente pela medicina Ayurvédica e também pelos chineses. Sua composição inclui fito-estrógenos importantes, e ele apresenta ações hormonais, anti-inflamatórias, anti-alérgicas e protetora da mucosa gástrica. Para não fugir à regra, o alcaçuz é um bom exemplo de que as plantas medicinais não podem ser usadas indiscriminadamente, pois ele é comprovadamente contra-indicado para pacientes hipertensas ou edemaciadas.

Por fim, mencionamos as sementes de linhaça, que são ricas em lignanas (substâncias com ação direta sobre os receptores hormonais), além de serem levemente laxativas e de contribuem para a melhora das taxas de gorduras no sangue. Reforço que, na abordagem da fitoterapia, a menopausa não é considerada uma doença, mas uma fase de transição que costuma gerar sintomas de adaptação e promover alguns desequilíbrios secundários, sejam eles devidos biológicos (a queda das taxas hormonais, por exemplo), a fatores de ordem emocional, sócio-cultural ou outros fatores diversos. Uma abordagem integral da síndrome do climatério deve contemplar todos esses fatores, todavia dentro de uma filosofia na qual a mulher ocupa o centro da questão enquanto um Ser Humano, e não enquanto um estereótipo moldado por uma cultura consumista e competitiva, ou enquanto um protótipo do ideal ditado pelas normas frias da ciência, impostas por profissionais comodamente sentados atrás de suas mesas imponentes. Não é uma questão de se negar uma assistência à mulher na menopausa, pelo contrário; trata-se de prestar a ela uma atenção humanizada e individualizada, em busca do equilíbrio do seu "Ser", em vez de uma mera elevação de taxas hormonais a custos altíssimos para sua saúde. Os benefícios e riscos de cada tratamento devem ser medidos em cada caso e os fitos hormônios encontram espaço quando uma terapia menos tóxica pode mostrar-se eficaz. Ao me classificarem como médico naturista, muitas pessoas afirmam que eu, mesmo se precisasse, não poderia usar óculos, devendo permanecer um míope natural. Eu digo : os óculos são um método não invasivo e seguro; o máximo efeito colateral poderia ser um calinho na base do nariz. Usarei quando necessitar. Entretanto se eles fossem fatores de risco comprovados para desenvolvimento de um câncer no nariz, com possibilidade de metástase para as orelhas, aí então, minha amiga, eu preferiria fazer yoga-para-os-olhos e comprar livros com letras grandes.

 

 

Bioplastia

 
MEGA 21 ® Todos os Direitos Reservados - Mapa do Site - Política de Privacidade